Hipnose e Psicologia Clínica: Retomando a História Não Contada

Disponível em www.scielo.br/prc

 Hypnosis and Clinical Psychology: Bringing Back the Untold History

Maurício da Silva Neubern

Centro Universitário de Brasília, Brasília, Brasil

Resumo

O presente artigo aponta várias relações entre a psicologia clínica e a hipnose, destacando que boa parte destas permaneceram e ainda se encontram pouco conhecidas da grande maioria dos psicólogos clínicos. Por um lado, visa destacar acontecimentos históricos dessa relação que, apesar da pertinência, foram marginalizados e esquecidos, o que remete, sobretudo, às práticas institucionais vigentes neste ramo da psicologia. Ao mesmo tempo, o artigo busca destacar brevemente que a reflexão sobre a hipnose pode levar a psicologia clínica a reformulações epistemológicas, institucionais e práticas da mais alta relevância, principalmente em termos de colocá-la em sintonia com importantes discussões atuais do panorama científico. Por fim, ressalta que, pelas próprias características da hipnose enquanto tema de reflexão e estudo, ela incita radicalmente a uma tomada de rumo na direção da construção de um conhecimento onde seja possível o auto-conhecimento, rompendo com as tradições modernas do pensamento científico. Palavras-Chave: Hipnose; psicologia clínica; história; epistemologia.

Abstract 

The present article points out various relations between clinic psychology and hypnosis, highlighting that a great part of both has remained well unknown by the great majority of clinic psychologists. On one hand, this article aims at historical outcomes of this relation, which despite having been put aside and forgotten, takes us back to the institutional practices taking place in this field of psychology. On the other hand, it intends to briefly bring about that the reflection over hypnosis might present clinic psychology with epistemological, institutional and practical reforms of the highest relevance, especially in terms of making hypnosis function in sync with important present discussions on the scientific scenery. Finally, this article states that for its own characteristics as a subject of study and reflection, hypnosis radically incites the building up of some knowledge where self-actualization is made possible, which breaks up with the modern tradition of scientific thinking. Keywords: Hypnosis; clinic psychology; history; epistemology.

A perspectiva de unificar clínica e ciência trouxe um pro­blema considerável para a psicologia clínica: não seria possí­vel efetivar um acesso privilegiado e único ao real, já que esse ramo da psicologia se encontrava dividido em diversas escolas. Como as exigências do paradigma dominante reza­vam o acesso a uma realidade única (Demo, 1997; Morin, 1991; Santos, 1987) tal diversidade colocava a psicologia clínica numa posição incômoda já que não havia meios que pudessem garantir a hegemonia de uma escola sobre as ou­tras. Não lhe havia sido possível a fabricação de um contexto como o laboratório, em que os pareceres distintos e contrários deveriam ser calados diante das provas experimentais (Neubern, 2004; Stengers, 1995). Tal quadro trouxe uma contradição incômoda, pois enquanto a psicologia clínica ga­nhou espaços sociais e reconhecimento científico, ela jamais pôde atingir, como não o puderam as ciências humanas e sociais, o status da confiabilidade científica das ciências duras, permanecendo a meio caminho de um reconhecimento inte­gral (Neubern, 2003). As conseqüências desse mal estar podem ser compreendidas sob duas dimensões altamente integradas. Por um lado, as noções dominantes do projeto

* Endereço para correspondência: SQS 411, BL C, apto. 101, Brasília, DF, 70 277-030. Fone: 61 346 4838. E-mail: mneubern@hotmail.com

científico foram adotadas de modo particular pelas diferen­tes escolas, que lhe conferiram uma compreensão própria e continuaram alimentando as rivalidades entre si. O isomorfismo, a tendência universalista e a ênfase no patoló­gico consistiram em noções constantes em praticamente todas escolas de inspiração moderna (Gergen, 1996; Neubern, 2001).

Mas, ao mesmo tempo, como essa pretensão de acesso isomórfico ao real mantinha-se questionável, a autoridade dos mestres fundadores ganhou relevo cada vez maior, o que conferiu grande influência à dimensão institucional. É justamente nesse ponto que o tema da hipnose assume uma considerável importância, pois toma para si um papel de denúncia das contradições e fragilidades existentes na tentativa de uma psicologia clínica enfim científica (Chertok & Stengers, 1999; Stengers, 2001). Associando-se a noções epistemológicas marginais como a influência (ao invés da neutralidade), o passageiro (ao invés do definitivo), a cria­ção (ao invés do fato) e o ilusório (ao invés da essência), a hipnose se tornou um objeto de estudo ameaçador capaz de colocar em risco os já comprometidos alicerces que os psicó­logos começavam a construir em sua pretensão de ciência. Em termos de instituição e práticas sociais, essa denúncia também mostrou que, sob bases precárias, muitos aconteci­mentos históricos foram negados ou obscurecidos em nome de um conhecimento científico que integralmente jamaisfoi atingido. Em outras palavras, em nome da própria razão foi preciso que muitos argumentos fossem evitados, uma vez que esses poderiam levar a incisivos questionamentos sobre a coerência dessa mesma razão.

Sendo assim, o objetivo deste artigo é, de início, o de destacar criticamente alguns acontecimentos históricos li­gados à relação entre hipnose e psicologia clínica que pode­riam levar a reflexões pertinentes sobre essa ciência, mas que foram estigmatizados ou jogados ao esquecimento. Tra­tam-se especificamente de obras e concepções de certos au­tores (Bernheim, 1891/1995; Bertrand, 1823 citado em Carroy, 1991; Delboeuf, 1890/1993) que, apesar da rele­vância clínica e teórica, não ganharam espaço e reconheci­mento históricos, como não puderam impedir a construção dos mais diversos preconceitos sobre o tema. Uma vez que levanta essa dimensão esquecida, o artigo também buscará destacar brevemente a pertinência da hipnose como um tema que poderá trazer para a psicologia clínica reformulações fundamentais em termos de práticas institucionais e princí­pios epistemológicos. Nesse sentido, as reflexões levanta­das pela hipnose não só colocam a psicologia clínica em sintonia com as discussões recentes sobre crises de paradigmas na ciência (Demo, 1997; Morin, 1991; Santos, 1987, 2000; Stengers, 1995), como ressaltam que sua rele­vância como tema de estudo é bastante atual (Borc-Jacobsen & Dufresne, 2001; Chertok & Stengers, 1999; Melchior, 1998; Neubern, 2004; Stengers, 2001; Zeig, 1985/1997). Deve-se fazer aqui uma pequena ressalva em função da ênfase conferida à psicanálise de Freud (Salomão, 1996), como uma das principais origens da psicologia clínica. Embora seja possível conceber outras origens dessa disci­plina, como Witmer (Schultz & Schultz, 1969/1981) e Lagache (Levy, 1997), preferiu-se manter a psicanálise como um dos focos centrais da reflexão devido à sua relação histó­rica com a hipnose e sua influência ainda bastante presente, difundida e atual em diversos contextos e instituições da prática clínica de diferentes escolas.

O Golpe de Força

A relação entre hipnose e psicologia clínica pode ser compreendida como um processo que se iniciou no entusias­mo e culminou no ostracismo. Essa trajetória, a bem dizer abrupta, pode ser reconhecida em Freud sem maiores difi­culdades, pois o método inicialmente eleito por ele para a cura dos doentes nervosos (Freud, 1888-1892/1996a), ao longo de seu trabalho, passou a ser considerado como algo oposto e até indesejável à consecução de um conhecimento confiável e efetivo em termos de terapia e ciência (1905/ 1996b, 1917/1996d). Os impactos desse processo para o reconhecimento da hipnose em termos clínicos e epistemológicos foram drásticos em diversos sentidos (Neubern, 2004). Por um lado, ela se tornou uma espécie de tema maldito, com a qual a psicologia clínica só poderia

1      Dito de outro modo, mesmo que possa ser questionável por várias razões, as­sume-se no presente artigo a psicanálise como origem inicial da psicologia clínica moderna.

reconhecer parentesco nos livros de história. Não é sem razões que as não muito numerosas referências que lhe são conferidas (Figueiredo, 1992; Marx & Hillix, 1963/ 1978; Schultz & Schultz, 1969/1981) a situam como um passado longínquo e pré-científico, como um tema já supe­rado que praticamente não encontra espaço nas escolas dominantes e discussões atuais. Contudo, o estigma da maldição também passou a incidir sobre a hipnose em termos de abordagem e técnica, situando-a como técnica ineficaz e superficial que jamais atingiria a causa dos problemas, permitindo a substituição de sintomas, como um procedi­mento caracterizado pela submissão ao terapeuta, como um processo vicioso e que poderia induzir a condutas pe­rigosas (Melchior, 1998; Yapko, 1992). Enfim, além dos riscos com as quais estaria implicada, a hipnose não teria nada a acrescentar diante da diversidade de escolas e téc­nicas desenvolvidas após sua derrocada.

No entanto, o que muitas vezes passa desapercebido nas discussões sobre a ciência relacionada a temas comple­xos como esse é que além das certezas freqüentemente existem as contradições que são evitadas e escondidas para que essas mesmas certezas não sejam ameaçadas. Tal é o caso da relação de Freud (1917/1996d) com a hipnose. O que o perturbava sobremaneira não era apenas a eficá­cia duvidosa do procedimento, mas principalmente a confiabilidade das lembranças evocadas pelos sujeitos (Chertok & Stengers, 1999). Isso porque havia sempre pre­sente a perspectiva de que essas lembranças fossem frutos de mera sugestão ou da complacência dos sujeitos em rela­ção a seus estimados médicos. Foi assim que a noção de um inconsciente independente que resiste ao outro ganhou um papel fundamental, pois ao mesmo tempo em que poderia resistir ao desejo e às sugestões do terapeuta, ele estaria além das intenções e da vontade dos próprios sujeitos, podendo até contrariar as expectativas de ambos (Chertok & Stengers; Stengers, 2001). Desse modo, o in­consciente psicanalítico ganhava o estatuto de um legíti­mo objeto de estudo, podendo comparar o setting analítico a um laboratório clínico que, embora rompesse com a psico­logia experimental em muitos aspectos, apresentava como esta a pretensão de um conhecimento confiável e superior aos demais. Sendo possível um acesso confiável e realista ao mundo psíquico além dos sintomas e aparências, seria possí­vel também esperar um processo de cura mais efetivo e confiável, tal como o pretendia o cientista no que se refere ao controle dos fenômenos da natureza. Nessa perspectiva, po­dem ser encontradas, ao longo da obra de Freud (1905/ 1996b, 1912/1996c, 1917/1996d), importantes passagens que asseguravam a superioridade e oposição do método psi­canalítico quanto aos métodos sugestivos.

Entretanto, o golpe de força consistiu em uma espécie de distanciamento sistemático quanto a questionamentos que poderiam ser subversivos ao edifício nascente da psicanálise. De um certo modo, a própria noção de transferência, que falava de um interjogo de forças com o inconsciente, pode­ria abrir questões incômodas no sentido de fazer ressaltar que o processo não se tratava simplesmente de uma revela­ção do mundo psíquico, mas de uma influência mútua que não deixava de lado seu parentesco com a sugestão (Chertok, 1989). Não é sem razões que alguns autores da reflexão pós-moderna (Gergen, 1996; McNamme & Gergen, 1995/ 1998) fazem uma crítica acentuada à reprodução de discur­sos e narrativas que os clientes passam a fazer a partir de uma relação terapêutica, o que não deixa de recolocar em questão o problema da complacência. Ou seja, mesmo que as psicoterapias em geral possuam uma proposta realista elas não consistem em um laboratório, mas implicam em relações humanas onde não é possível escapar das influên­cias e sugestões mútuas.

Contudo, esse não era o único ponto polêmico. Já ao final de sua vida, Freud (1937/1996f) destacou que as curas operadas pela psicanálise não seriam mais efetivas, duradouras e convincentes do que as de outros métodos. Isso não propiciou o mesmo impacto epistemológico do afã científico inicial e, em conseqüência, não permitiu que o problema da hipnose fosse revisitado. Embora o acesso privilegiado ao psíquico pretendido pela psicanálise fos­se colocado sob suspeita, a maldição sobre a hipnose esta­va já lançada e a instituição psicanalítica dela dependia sobremaneira para se manter firme. Importava apenas que

o Freud (1905/1996b) inicial da psicanálise se mantives­se vivo no seu projeto de desvendar de modo confiável e científico as profundezas do inconsciente, de tal modo que nem mesmo o fundador da psicanálise pudesse revisar cer­tos pontos de suas próprias construções (Chertok & Stengers, 1999).

Assim é possível perceber que o casamento entre a insti­tuição psicanalítica e a noção de realidade foi decisivo para a compreensão da hipnose como processo terapêutico falho e objeto de estudo científico impossível. A hipnose era por de­mais ligada ao engano, à ilusão, ao incerto e ao fugidio das relações humanas, sem contar que seu parentesco histórico com o magnetismo e o espiritismo (Carroy, 1991; Meheust, 1999) pareciam transformar essa busca do real em um consi­derável pesadelo. Isso era bastante contrário à pretensão de acesso a uma realidade a-temporal, invariável e indepen­dente do contexto sócio-cultural, tal como rezava a vulgata da razão científica (Gonzalez Rey, 1996; Santos, 1987). En­tretanto, esse mesmo tema impróprio consistia em uma de­núncia contra o pensamento clínico nascente, que aspirando se submeter a esta razão, evitava o diálogo e as incômodas questões levantadas pela obra dos hipnotizadores. Assim, o que realmente importava não era apenas isolar esse tema impróprio, mas destiná-lo ao silêncio, situando-o em torno de preconceitos que desestimulassem os eventuais impulsos da própria curiosidade científica. A história da psicologia clíni­ca precisava começar a ser escrita associada às luzes da razão e livre de quaisquer máculas.

Alguns Começos Antes do Começo

A atribuição do nascimento da psicologia a Wundt em 1879 (Marx & Hillix, 1963/1978; Schultz & Schultz; 1969/1981) traz uma questão importante sobre as rela­ções dessa ciência com a hipnose. O que parece sugerir é que, enfim, a psicologia estaria ocupando um lugar de ci­ência, desvencilhando-se das heresias que poderiam aba­lar sua confiabilidade. A partir dessa data, boa parte das reflexões anteriores deveriam ser lançadas ao esquecimen­to ou ao título de curiosidade histórica, pois não poderiam contar com a confiabilidade dos métodos que buscavam agora embasar o projeto de uma psicologia enfim científi­ca. Era uma vitória da racionalidade experimental, da vida de laboratório que finalmente poderia situar essa ciência como conhecimento válido na busca de acesso privilegia­do ao real. No entanto, esse começo não deixava de ser contraditório até mesmo porque, reivindicando ser uma ciência enfim independente e com voz própria, a psicolo­gia sempre esteve atrelada a outras ciências, como as ciên­cias físicas, biológicas, sociais e humanas (Figueiredo & Santi, 2002), o que a colocava na delicada posição da di­versidade de escolas de pensamento (Neubern, 2001, 2003). Esse considerável mal estar foi ainda mais agudo em termos de psicologia clínica que, além da diversidade de abordagens, contava com um contexto de trabalho e um conjunto de objetos de estudo pouco afeitos à prova expe­rimental. Embora não abdicasse do projeto científico e estivesse imbuída de sua racionalidade (Chertok & Stengers, 1999; Neubern, 2001) o conhecimento clínico era, vez por outra, colocado sob suspeita a ponto de seus métodos serem considerados válidos apenas caso fossem restritos à prática clínica (Gonzalez Rey, 1996).

Todo esse cenário levou a conceber uma curiosidade que, em geral, passou desapercebida: é provável que essa ciência, que nasceu frágil e duvidosa, tenha tido necessi­dade de renegar sua própria história para que pudesse manter alguma credibilidade. Se é verdadeiro o fato de que Freud (1905/1996b) não negou a relação histórica entre hipnose e psicanálise e que, apesar dos problemas, continuou seu interesse especulativo pelo assunto em al-guns momentos de sua obra (1921/1996e), não é menos verdadeiro que fez um considerável esforço para separar psicanálise e sugestão (1912/1996c), numa explícita opo­sição entre o conhecimento confiável e o duvidoso. Com isso deixaram de ser considerados outros importantes mo­mentos da origem da psicologia que poderiam, mesmo hoje, leva-la a significativas releituras epistemológicas, histó­ricas e clínicas.

É nesse sentido que se pode compreender uma das pri­meiras referências ao termo psicologia no pensamento moderno que remonta a Alexandre de Bertrand (1823, citado em Carroy, 1991) com a publicação do Traité du Somnambulisme. Nota-se que o jovem médico francês já apre­sentava um conjunto de concepções que remontavam a racionalidade ocidental e que justificaram o próprio nasci­mento de uma ciência psicológica, pois a medicina da época era insuficiente para a compreensão dos fenômenos magnéticos, hipnóticos e sonambúlicos. Rompendo com as noções mesmeristas, que preconizavam a ação de um fluído mag­nético nas curas, Bertrand se colocava na condição de um médico filósofo ou simplesmente psicólogo que buscava estudar a influência da imaginação nos processos terapêuticos, fos­sem eles somáticos ou psíquicos. Nesse ponto, seria possível considerar que aqui já constava o nascimento de uma ciên­cia psicológica em moldes bastante similares à boa parte das linhas de pensamento atuais. A princípio, tratava-se de uma ciência que nasceu entre a medicina (natureza) e a filosofia (espírito), possuindo a perspectiva de um conheci­mento novo que não se esgotasse em um desses lados.

Contudo, outro ponto que chama a atenção foi a própria tentativa de se desvencilhar do magnetismo, atribuindo à subjetividade humana, por meio da imaginação, um papel central na compreensão e efetivação da clínica. Vale destacar que a obra desse autor propiciou o desenvolvimento de refle­xões e antagonismos teóricos de toda uma geração de pensa­dores na França do século XIX, como Maine de Biran (com a noção de um ser consciente e inconsciente e a comunicação entre corações), Taine (com a multiplicidade do eu e as aluci­nações) e Bergson (com a comunicação telepática) (Carroy, 1991, 1993)2. Todo esse movimento havia sido iniciado há mais de meio século antes de Wundt (citado em Schultz & Schultz, 1969/1981) e Freud (Salomão, 1996), mas não ga­nhou relevo e reconhecimento como um ponto de origem da psicologia, provavelmente em função dos temas malditos que havia escolhido como objetos de estudo e reflexão. Ao mesmo tempo, boa parte dos autores acima se baseou em métodos clínicos, o que também poderia denunciar sua inconsistência em termos de exigências, principalmente devido ao valor dado ao método em termos de ciência (Demo, 1997). No en­tanto, caberia também questionar sobre os motivos dessa re­jeição, posto que a maior parte das escolas clínicas atuais não se utilizam de métodos substancialmente distintos.

Esse afã científico ligado à hipnose também esteve pre­sente numa das primeiras referências à psicoterapia que remonta a Hippolyte Bernheim (1891/1995) que a situou como um método sistemático e racional tendo como veículo principal as diferentes formas de sugestão. Ao longo de sua obra, esse autor sistematizou as aplicações clínicas da psicoterapia a diversos campos, como neuroses traumáticas, histerias, neuroses genitais, neurastenias, alcoolismo, nevralgias, reumatismo, dentre outros, ao mesmo tempo em que buscou teorizar sobre as formas de aceitação das sugestões pelo cérebro dos indivíduos. Embora reconhe­cesse sua dívida com os magnetizadores em termos de he­rança histórica e clínica, procurou desenvolver toda uma compreensão do processo hipnótico relacionando os tipos de sugestão com a atividade orgânica, principalmente do sistema nervoso central. Assim, seria possível compreen­der a psicoterapia como um processo que integrasse, de modo complexo, duas dimensões opostas na racionalidade ocidental: de um lado, a comunicação humana em suas di­ferentes nuances; de outro, os mecanismos cerebrais e orgânicos que poderiam transformar essas sugestões em processos de cura. Natureza e espírito estavam novamente sendo conciliados dentro de um projeto científico.

2      Vale lembrar que essa lista é bem mais ampla, incluindo ainda autores como Charcot e Janet (citados em Carroy, 1991). Deve-se destacar também que essa mesma época foi fértil em termos de organizações institucionais e criação de escolas (como as de Nancy e de Paris) para estudo e prática da hipnose.

O que pode ser destacado desse cenário é que a obra de Bernheim (1891/1995) foi caracterizada por uma dimen­são que marcou todas as escolas de psicologia clínica: a ten­tativa de uma racionalidade científica. Entretanto, malgrado seu esforço de separação do já condenado magnetismo, as dimensões mais importantes de seu trabalho praticamente não deixaram suas marcas na história dessa ciência, até mesmo porque que esse autor é muito mais reconhecido como um antigo professor de Freud (1917/1996d) cujas concepções logo cederiam lugar a abordagens mais eficien­tes e racionais. Desse modo, o desinteresse dos psicólogos e médicos por sua obra talvez pudesse ser compreendido em torno de toda uma leitura institucional das comunidades científicas (Carroy, 1991; Chertok & Stengers, 1999; Neubern, 2004), mas, ao que parece, acabou situado na lis­ta de concepções que fracassaram na abordagem do real.

Nesse sentido, pode-se notar que a obra de muito desses autores foi pouco conhecida, estudada e problematizada pela grande maioria dos clínicos atuais, o que não impediu a criação dos mais diversos preconceitos sobre o tema. A com­preensão da hipnose como um processo de submissão, liga­do a um estado inconsciente e capaz de induzir os sujeitos a atos imorais parece ter perdurado até os dias atuais, embora tenha sido constantemente refutada por autores célebres do passado. Tal foi o caso de Joseph Delboeuf (1890/1993). Para ele a sugestão possuiria um papel importante no sen­tido de influenciar e transmitir importantes idéias aos indi­víduos, mas, ao mesmo tempo, estes estariam dentro de uma certa consciência (le moi inconscient), onde não abandonariam

o espírito crítico e a censura moral. Dito de outro modo, a hipnose não implicava em mero estado de passividade, mas em um estado onde o sujeito possuiria um papel ativo utili­zando potenciais e recursos que habitualmente não esta­riam tão acessíveis. Assim, ao invés de um processo baseado na autoridade do médico e na passividade do paciente (Freud, 1905/1996b), a hipnose terapêutica implicava em um pro­cesso onde a participação do sujeito era fundamental, princi­palmente em termos da utilização desses recursos na lida com suas demandas. Seria redundante, neste ponto, ressaltar a proximidade dessa idéia quanto às idéias atuais de boa parte das escolas de psicoterapia, onde o sujeito, através do acesso a seus potenciais, é ator no processo terapêutico (Anderson & Goolishian, 1993). Outra contribuição interes­sante desse autor foi a respeito da própria noção de relação terapêutica, particularmente por conceber que o terapeuta também receberia considerável influência do sujeito por ele hipnotizado. Mas, ao mesmo tempo, Delboeuf (1890/1993) destacou que esse processo de influência permitiria a cons­trução de settings essencialmente distintos, o que poderia ex­plicar as diferenças de pacientes e fenômenos entre as dife­rentes escolas de hipnotismo da época, como a de Nancy e de Paris. No entanto, sua obra não impediu que sobre a hipnose fossem impregnados os estigmas da submissão à autoridade do terapeuta e do sujeito alheio ao processo terapêutico. Ela talvez tenha sido considerada como subversiva em demasia, principalmente devido a suas noções de influência e suas implicações críticas ao realismo dominante.

Esse conjunto de semelhanças entre as escolas clínicas vigentes e as do passado levam a uma reflexão contunden­te e pesarosa, segundo a qual na história da ciência muitas vezes todo o esforço por reconhecimento pode ser inútil quando uma maldição já está lançada. Os hipnotizadores do passado, como os clínicos do último século, buscaram associar-se ao paradigma dominante, expulsar os mitos, conferir um caráter de ciência a suas construções e organi­zar-se institucionalmente (Carroy, 1991; Chertok, 1989). Ambos sofreram com as críticas de escolas rivais e até de outras ciências, que, entre o sarcasmo e a convicção, colo­caram em dúvida a cientificidade de suas propostas. Mas sob os hipnotizadores pesavam outros fardos: a ruptura que a hipnose efetivava quanto ao princípio do conheci­mento de uma realidade perene e sólida consistia na con­denação de todas as medidas que pudessem ser feitas em nome da ciência, como também alimentava os mais diver­sos preconceitos e estigmas sobre a mesma. A diferença talvez tenha sido a de que enquanto os clínicos tiveram condições de fazer um acordo pouco convincente com essa realidade, aos hipnotizadores não foi possível sequer uma negociação nesse sentido.

A Retomada de um Conhecimento sem Respostas

Uma questão curiosa na história da hipnose é que, mes­mo sem atender as exigências da cientificidade, ela sempre foi marcada pela eficiência terapêutica de suas abordagens por meio da obra dos mais distintos autores em diferentes épocas(Melchior, 1998). Mesmo não sendo convincente quanto à sua abordagem do real, seria possível comparar seu poder de promover mudanças com uma das principais pretensões da ciência moderna – a transformação da natu­reza – mas sem o conhecimento preciso promovido pelo método científico e sem os princípios da predição e do con­trole dos fenômenos. A própria posição de Freud, duvidan­do de sua eficiência, pode ser revista nesse sentido quando se considera seu desconforto e suas noções equivocadas quan­to ao uso da técnica (Castilho, 2002; Chertok, 1989). O que faltava para a hipnose era justamente a obediência que lhe permitisse se transformar em um objeto domesticado, capaz de aceitar as imposições do laboratório ou do settingclínico, malgrado as precariedades de ambos para atender suas exi­gências (Stengers, 2001).

Entretanto, o século XX foi marcado por inúmeras transformações epistemológicas que, provavelmente, per­mitiram um resgate da hipnose enquanto tema de refle­xão e prática clínica. Em termos de paradigma científico, houve uma espécie de retomada de noções que, de uma posição marginal, passaram a co-habitar com as perspec­tivas já consagradas e dominantes. Assim, a criação, evo­cando o antigo livre-arbítrio, passou a conviver mais de

3      O que pode ser verificado de Puységur (1785/2003), passando por Bernheim (1891/1995) e Delboeuf (1890/1993) a Milton Erickson (Erickson & Rossi, 1980), François Roustang (1991, citados em Melchior, 1998), dentre outros.

perto com a determinação, enquanto o local e singular passaram a fazer frente ao universalismo; a história ganhou terreno junto à eternidade, como também a desordem, a incerteza e o acidente colocaram em cheque as concep­ções do universo como um relógio perfeito (Santos, 1987). O objeto não pode mais ser concebido sem o sujeito, ao mesmo tempo em que suas fronteiras se tornaram difusas e cederam lugar a um conjunto de conexões que o inte­gram ao contexto e ao tempo. Nessa perspectiva, enquanto a realidade deixou de ser um conjunto de objetos sólidos e definidos, para se constituir em um universo de partí­culas que retroagem em movimentos complexos, o conhe­cimento científico passou a incorporar noções antes pros­critas como o sujeito, a conexão, a probabilidade, a com­plexidade, a incerteza e a incompletude (Demo, 1997; Morin, 1990; Stengers, 1995). De um modo geral, é como se houvesse um reconhecimento de que a pretensão de um saber definitivo e absoluto da realidade nunca tenha sido uma questão de realidade, mas de utopia humana. Não é sem razões que esse mesmo século também foi muito fecundo quanto à discussão da dimensão social da ciência no sentido de que sua compreensão não poderia passar distanciada dos processos comuns a uma comuni­dade científica(Kuhn, 1970/1996; Morin, 1991; San­tos, 1989; Stengers, 1995).

Em meio a esse conjunto de rupturas e subversões, a discussão sobre a hipnose foi inicialmente retomada em termos clínicos, principalmente a partir da obra de Milton

H. Erickson5 (Erickson & Rossi, 1980). De certo ponto de vista, essa retomada não apresenta muitas diferenças quan­to a alguns de seus ancestrais do magnetismo e da hipno­se, pois há uma preocupação explícita com a construção de processos terapêuticos eficientes, uma crítica incisiva quan­to às possibilidades da racionalidade científica na aborda­gem desses fenômenos e um conjunto de medidas rumo a uma institucionalização do movimento6. Entretanto, de um ponto de vista epistemológico, a obra de Erickson apre­senta estreita sintonia com a retomada de noções margi­nais próprias da crise de paradigma atual (Neubern, 2002),

o que talvez possa aproximá-lo, de alguma forma, de con­cepções hoje discutidas no panorama científico. A princí­pio, há uma crítica contundente quanto aos pressupostos tradicionais para a construção de uma teoria, pois a gene­ralização e o universalismo que lhes são próprios seriam excludentes com relação à singularidade dos sujeitos, o que esse autor considerava fundamental para a clínica (Erickson & Rossi, 1979; Zeig, 1985/1997). De modo

4                                      Isso não implica necessariamente em uma postura construcionista (Gergen, 1996) que se coloca como ontologicamente muda, mas na importância do reco­nhecimento dos processos intersubjetivos na invenção – descoberta da objeti­vidade (Stengers, 1995, 1999).

5                                      Considerado por certos autores (Bellet, 1992; Melchior, 1998; Zeig, 1985/ 1997) como o pai da hipnose moderna.

6                                      Erickson foi um dos fundadores da Sociedade Americana de Hipnose Clínica e do American Journal of Clinical Hypnosis. Atualmente a abordagem ericksoniana é um dos movi­mentos de psicoterapia que mais cresce no mundo (Robles, 1997/2000).

similar, sua visão de homemestaria muito mais próxima de uma subjetividade sistêmica e complexa do que das visões tradicionais de objeto de estudo, uma vez que sus­tentavam a singularidade e as configurações do momento sem se fixarem em conteúdos e etiologias determinadas a priori (Neubern, 2002, 2004). Os problemas dos sujeitos não deveriam ser compreendidos de antemão em função de um conteúdo ou de uma dimensão específica, como o passado, mas em função do conjunto de arranjos próprios de seu cenário subjetivo naquele momento.

Em meio a essa visão de homem e de mundo fluida e mutável, pode-se considerar que esse autor não possuía a intenção de associar hipnose e verdade, como se aquela se constituísse em um método privilegiado de acesso a esta (Neubern, 2002, 2004; O’Hanlon, 1987/1994). A comple­xidade da subjetividade exigiria um conhecimento dinâ­mico, com conclusões bastante parciais e locais e com um fim pragmático no sentido de levar antes ao desencadeamento de processos do que ao conhecimento ou a confirmação de uma lei ou hipótese. A hipnose, nesse sentido, não estaria associada fielmente à necessidade da explicação objetiva e etiológica, mas a um processo que envolvesse sentidos, pa­drões e necessidades configurados de modo complexo e pró­prio ao sujeito, obedecendo a uma organização local (ao invés de universal) e mutável em alguns de seus momentos. Assim, não seria possível esperar que sua obra pudesse de­sembocar na fabricação de alguns dos arcabouços próprios do paradigma dominante, como por exemplo, a construção de uma teoria de personalidade, embora seja possível con­siderar que, segundo esse mesmo paradigma, ela possa as­sumir um caráter eminentemente técnico.

Essas considerações trazem à tona as reflexões contun­dentes que a hipnose sempre trouxe para a psicologia clínica (Stengers, 2001). Sua prática permite conceber que é possí­vel lidar com a mente para transformá-la, sem, contudo, conhece-la segundo as exigências científicas. De um certo modo, essa retomada da hipnose por meio de Milton Erickson (Erickson & Rossi, 1979, 1980) parece retomar a angus­tiante idéia de que nada mudou, uma vez que ela se consti­tui em um conhecimento que não traz respostas e que não explica, apesar de sua eficiência clínica e dos espaços institucionais que conquista aos poucos em vários países. Entretanto, mesmo sem respostas, a hipnose é retomada em um outro contexto, um cenário distinto de sua época de nas­cimento, onde o próprio conhecimento científico é revisto e passa por grandes transformações.

Isso leva a conceber que sua importância se dá, não pelas respostas que deixa de trazer, mas pelas perguntas que leva a pensar em diferentes níveis sobre a pretensão de se cons­truir uma psicologia científica (Neubern, 2004; Stengers, 2001). A hipnose, ligada a todo um processo de influência e sugestão, não satisfaria as exigências científicas ou seria o próprio conhecimento científico quem deveria ser revisado e transformado para o estudo da subjetividade humana? A ruptura que ela implica em termos da separação sujeito e objetodeveria ser compreendida como um obstáculo ou como apelo a uma nova racionalidade? Quais deveriam ser as condições epistemológicas que uma teoria deveria obe­decer para a explicação dos processos subjetivos e hipnóti­cos? A que condições deveriam obedecer a explicação e a generalização nesse sentido? O tipo de resposta que essas questões receberão ainda está por ser conhecido. Contudo, é importante que essas reflexões sejam levadas a cabo, prin­cipalmente em nome do reconhecimento de um tema que justificou uma das origens da psicologia (Carroy, 1991) e que certamente tem muito a dizer sobre seu porvir. O que ficou marcado pela hipnose até o momento é uma transfor­mação que não se permite ser conhecida, que parece jogar com a ciência apontando suas limitações sem se permitir apre­ender. Mas o que a retomada desse tema neste justo momento parece sugerir é que talvez seja o próprio conhecimento que necessite de mais profundas transformações para poder com­preender e explicar esse processo tão altamente implicado com a subjetividade humana.

Conclusão: Por um Conhecimento com Auto-Conhecimento

A linha de reflexão desenvolvida até aqui permite uma analogia entre a situação epistemológica da psicologia clí­nica quanto à hipnose e a de um paciente que se submete a uma psicoterapia. Neste caso específico, é muito comum que

o trabalho seja conduzido enfocando algumas questões do passado do sujeito que ainda permanecem vivas em sua subjetividade e suas ações sociais e que com freqüência lhe trazem algum tipo de limitação ou sofrimento. Entretanto, essa investigação do passado não consiste em um simples apelo explicativo, mas possui um intento pragmático de auxiliar o sujeito na reconstrução de significados e sentidos de dimensões importantes de sua vida, a começar por sua própria identidade (Gonzalez Rey, 1997; Grandesso, 2000; Mahoney, 1991). Com o andamento da terapia, não é ape­nas o passado que ganha novos sentidos, mas a própria rela­ção do sujeito consigo, com seus momentos atuais e suas projeções futuras.

Essa analogia, por sua vez, parece trazer contradições bastante incômodas, pois seguindo as inspirações da ciência moderna (Demo, 1997; McNamme & Gergen, 1995/1998), a psicologia clínica coloca-se como um conhecimento sem auto-conhecimento, um conhecimento que se pensa pouco e está muito mais preocupado em desvendar o mundo que a si mesmo. O que os psicólogos clínicos propõem diariamente a seus pacientes em suas práticas não poderia ser pensado e proposto, em termos epistemológicos, para seus próprios conhecimentos teóricos. Essa afirmação não visa dizer que a psicologia clínica atualmente não tenha buscado esse tipo

7      É importante ressaltar que Erickson jamais sistematizou suas idéias nesse sen­tido. Essas reflexões partem de outros autores (Melchior, 1998; Neubern, 2002, No sentido de que toda teoria hipnótica é hipnogência, isto é, ela anuncia o que vai 2004 e O’Hanlon, 1987/1994) que associam suas contribuições com as refle-produzir (Stengers, 2001). Daí a idéia do efeito Rosenthal (Melchior, 1998) e da xões atuais. sugestão sempre presente nas relações humanas e psicoterapias (Chertok, 1989).

de reflexão, mas que essa tarefa está atrasada (Gonzalez Rey, 1997) e ainda não pôde contemplar temas cruciais de sua própria história. Nesse sentido, a hipnose implica em uma considerável contradição, posto que, possuindo uma grande importância histórica, clínica e epistemológica para a psicologia clínica deveria ser atentamente investigada e problematizada para que a história dessa ciência fosse con­tada de outra forma, o que, sem dúvidas, poderia apontar caminhos bastante interessantes para sua transformação. Contudo, o que se pode notar atualmente é que a hipnose permanece interditada por um verdadeiro recalque epistemológico que a impede de tomar parte nessa história, como se a sua simples presença pudesse implicar no proibido e no herético em termos de razão, ciência e terapia.

É possível que a conseqüência mais pungente e proble­mática desse recalque sejam as barreiras que se criaram para que a psicologia clínica pudesse responder a uma ques­tão fundamental, proferida em termos de identidade cientí­fica, que remonta à própria tradição clássica: quem sou eu? De onde vim? Para onde vou? (Neubern, 2004). Não é sem razões que sua associação à racionalidade científica tenha ocorrido dentro de um considerável mal estar, sendo por vezes tida como um ramo menos científico (e, portanto, mais duvidoso) da psicologia, como o ramo onde a psique não teria sido totalmente exorcizada do subjetivo (Gonzalez Rey, 1996; Neubern, 2003). Em outras palavras, mesmo tendo sido obrigada a negar sua própria história, onde a hipnose não foi um mero acidente, a psicologia clínica não conseguiu um sucesso integral quanto às exigências científicas, como se tivesse permanecido a meio caminho de atingi-las9. Embo­ra tenha conquistado espaços sociais e institucionais e te­nha acabado por ser reconhecida como um tipo de ciência, o silêncio imposto sobre sua própria história não impediu sua angústia epistemológica.

Diante dos problemas práticos da própria clínica freqüentemente puderam ser constatadas dúvidas constran­gedoras basicamente em dois sentidos. Por um lado, se as possíveis soluções e reflexões devessem ser buscadas a par­tir da racionalidade científica, haveria um acordo com o projeto de ciência, mas um incômodo nada desprezível quan­to à própria compreensão de um objeto de estudo substan­cialmente distinto dos objetos relacionados ao método cien­tífico tradicional. Essa primeira solução de compromisso, que não deixou de se constituir em um verdadeiro pesade­lo, talvez tenha tido como uma das principais aliadas o uso da força institucional que mutilou objetos de estudo em sua complexidade e adequou as teorias a noções universalistas e reificadas (Gonzalez Rey, 1997; McNamme & Gergen, 1995/1998; Neubern, 2001). Mas, por outro lado, a segun­da possibilidade – a de uma racionalidade distinta, envol­vendo noções próprias ao universo subjetivo – desembo­cou, por vezes, em um amplo silêncio, pois não poderia exis­tir outra forma de pensar as origens da psicologia que não

9      Neubern (2003) compara, analogicamente, a psicologia como a filha bastarda do paradigma dominante, por se tratar de um conhecimento que acaba sendo reconhecido como ciência, mas com reservas.

fosse por meio das referências já oficializadas e comprome­tidas com o ideal científico, como no caso de Freud (Chertok & Stengers, 1999). Não seria nada simples buscar soluções e reflexões em termos de algo mais original, pois o próprio universo da subjetividade já havia sofrido um considerá­vel processo de colonização por parte da racionalidade científica (Santos, 2000)10. Em suma, nesse caso específico o projeto de ciência foi, desde o início, inconciliável com sua própria história.

Diante de todo esse quadro, pode-se indagar qual seria a pertinência para a psicologia clínica de se voltar à reflexão sobre a hipnose. Por que seria importante retornar a um tema que parece apresentar muito mais perguntas do que respostas e cujo progresso em termos de conhecimento foi praticamente irrisório nos últimos duzentos anos (Stengers, 2001)? Por que seria importante recontar uma história se já existem histórias? Em que a psicologia clínica poderia en­riquecer fazendo esse tipo de reflexão? As respostas a esse tipo de questão podem ser variadas, mas no escopo desse artigo, podem ser destacados dois pontos ligando a perspec­tiva da relação entre clínica e ciência sobre os quais a hip-nose incide arduamente.

O primeiro deles é a crítica que ela proporciona à pers­pectiva de um acesso privilegiado e isomórfico ao real, que se constituiu em um dos pilares centrais não só do projeto científico, como das escolas modernas de psicologia clínica (Gonzalez Rey, 1997; Mahoney, 1991; McNamme & Gergen, 1995/1998). O que a hipnose parece mostrar nes­se sentido, é uma subjetividade humana permeada por pro­cessos fugidios, nebulosos e por vezes mutáveis, por proces­sos míticos e simbólicos que remetem diretamente a seu contexto de geração, como também por toda a cultura que perpassa esse contexto e a vida dos sujeitos nele implica­dos. Mas ela os mostra dentro de uma ótica que carece de confiabilidade tradicional, que não se adequa a pareceres definitivos e controlados e parecem sugerir uma realidade muito mais complexa que a realidade perene do paradigma dominante, por ser marcada pela influência mútua, pela criação, pelo ilusório e pelo passageiro. Esse primeiro pon­to de reflexão sugere que essa ausência de confiabilidade trazida à tona pela hipnose é integrante constituinte da subjetividade humana e que por isso não deve ser despre­zado sob o pretexto de sua inadequação científica, como o fez Freud em sua busca pelo definitivo (Chertok & Stengers, 1999). A conseqüência mais imediata nesse sentido é um forte apelo a uma nova racionalidade, a um novo paradigma científico em que a noção de realidade seja colocada sob questão e as noções anteriormente marginais ganhem um novo espaço11 .

10 Para Santos (2000) o paradigma ocidental promoveu a divisão entre o conhe­cimento científico (com métodos e concepções objetivas) e os demais tipos de conhecimento (próprios do universo subjetivo). Entretanto, após se firmar como conhecimento privilegiado, a racionalidade científica buscou também se impor aos outros conhecimentos (como filosofia, direito, artes, literatura) o que ca­racterizou um verdadeiro processo de colonização.

11 Veja-se, por exemplo, a proposta construtivista de Melchior (1998), o problema da influência debatido por Borc-Jacobsen (2001) e as reflexões sobre a comple­xidade de Neubern (2004).

Já o segundo ponto refere-se à própria dimensão institucional da psicologia clínica, mais especificamente à necessidade de uma concepção reflexiva sobre as ações dos sujeitos na atribuição de sentido a suas práticas. Um dos aspectos que chama muito a atenção nesse processo é que a história passou a ser contada em nome de um triunfo do real, sem que fossem levantados os vários processos de oposição e conflito que diversos grupos e instituições moveram contra e a favor do reconhecimento da hipnose (Carroy, 1991; Chertok & Stengers, 1999; Meheust, 1999). Em outros termos, ao mesmo tempo em que se apresentou uma concepção de rea­lidade confiável, esconderam-se os atores que, mais que seus descobridores, foram seus artífices. Seguindo à pers­pectiva dominante, eles deveriam ser mantidos na conta de simples reveladores da realidade psíquica humana para que a aliança com o paradigma científico fosse efetivada. Assim, torna-se necessário que as práticas sociais no interior da psi­cologia clínica sejam repensadas principalmente em ter­mos de conceber que os sujeitos e instituições possuem um papel ativo na construção de sentido da realidade com a qual dialogam (Gergen, 1996; Gonzalez Rey, 1997; Neubern, 2004). Essa tarefa não é simples na medida em que o realis­mo ingênuo que visa desvendar o mundo sem se pensar, mes­mo que discutido e criticado epistemologicamente, ainda é bastante presente nas comunidades dos psicólogos clínicos.

O que talvez a hipnose traga de mais interessante nesse sentido, é que ela faz uma relação direta entre seu contexto de geração e seus produtos ao conceber que toda teoria hipnó­tica é hipnogênica, ou seja, ela gera aquilo que ela mesma anuncia (Melchior, 1998; Stengers, 2001). Essa perspecti­va cria efetivamente um grave problema para a psicologia clínica particularmente pelas barreiras epistemológicas que parece romper, a começar por situar a reflexividade como um processo obrigatório, um processo que se coloque ques­tões sobre seu contexto de surgimento e sobre as retroações que existem entre os diferentes sujeitos que dele partici­pam. Entretanto, a hipnose parece levar a pensar um pouco além, tocando de modo inevitável em duas questões cruciais. Se, em sua prática, as ações humanas geram aquilo que anun­ciam torna-se obrigatória a reflexão sobre os pressupostos, valores e concepções implícitos nessa geração, como tam­bém sobre as conseqüências pragmáticas de seus resul­tados. Trata-se aqui de um problema de responsabilidade ética não só com os sujeitos, mas com o próprio conhecimen­to que é criador de realidades ou que, ao menos, participa ativamente nessa criação.

Ela não permite que se espere uma simples revelação do real, mas convida a uma incursão crítica sobre os pressupos­tos que antecedem sua construção, o que consiste em uma tarefa árdua em termos individuais e institucionais. Por outro lado, esse retorno reflexivo remete ainda a uma ques­tão de utopia, principalmente por abrir a possibilidade de colocar os sujeitos em uma posição com relativa possibilida­de de escolha e autonomia na construção desse conhecimen­to. Há aqui um problema epistemológico profundo, pois a própria racionalidade dominante sempre o colocou na posição de revelador de uma realidade inexorável da qual apenas seria possível sofrer as conseqüências. Se essa utopia reme­tesse a reflexividade e a possíveis escolhas talvez fosse pos­sível conceber um conhecimento e uma realidade que se pretende e se deseja, ao invés de simplesmente permanecer na postura de sofrer suas conseqüências12. Evidentemente, esse ponto é polêmico e abre debates os mais diversos, in­clusive pelo fato de atingir tanto o pressuposto realista como o da separação entre conhecimento e realidade. Porém, o que se pode conceber agora é que a retomada da hipnose está apenas começando e que, portanto, essas questões ainda estão em aberto.

Referências

Anderson, A., & Goolishian, H. (1993). O cliente é o especialista. Nova Perspectiva Sistêmica, 3, 8 – 24. Bellet, P. (1992). L’Hypnose. Paris: Odile-Jacob. Bernheim, H. (1995). Hypnose, suggestion et psychothérapie. Paris: Fayard. (Original publicado em 1891) Borc-Jacobsen, M., & Dufresne, T. (2001). Rétour à Delboeuf ? Ethnopsy, 3, 69 – 88. Carroy, J. (1991). Hypnose, suggestion et psychologie. L’Invention du sujet. Paris: Puf. 

Carroy, J. (1993). Magnétisme, hypnose et philosophie. In I. Stengers (Ed.), Importance de l’hypnose (pp. 169 – 192). Paris: Le Plessis-Robinson.

Castilho, J. (2002). A vida e a técnica de Sigmund Freud: As bases para a psicanálise infantil. Dissertação de Mestrado não­publicada, Programa de Pós-Graduação em Psicologia Clínica, Universidade de Brasília, DF.

Chertok, L. (1989). Hypnose et suggestion. Paris: Puf. Chertok, L., & Stengers, I. (1999). La blessure narcissique. Paris: Le Plessis Robinson. Delboeuf, J. (1993). Le magnétisme animal. À propos d’une visite à

l’Ecole de Nancy. Paris: Fayard. (Original publicado em 1890) Demo, P. (1997). Conhecimento moderno. Petrópolis, RJ: Vozes. Erickson, M., & Rossi, E. (1979). Hypnotherapy: An exploratory

casebook. New York: Irvington. Erickson, M., & Rossi, E. (1980). The collected papers of Milton 

H. Erickson, MD. New York: Irvington. Figueiredo, L. (1992). A invenção do psicológico. São Paulo, SP: Escuta. Figueiredo, L., & Santi, P. (2002). Psicologia: Uma nova (re) intro­dução. São Paulo, SP: Editora da Pontifícia Universidade Católi­ca de São Paulo. Freud, S. (1996a). Artigos sobre hipnotismo e sugestão. (J. O Aguiar Abreu, Trad.). In J. Salomão (Ed.), Edição standard das obras psicológicas completas de Sigmund Freud: Vol. 1 (pp. 111– 120). Rio de Janeiro, RJ: Imago. (Original publicado em 1888­1892) Freud, S. (1996b). Sobre a psicoterapia (J. O Aguiar Abreu, Trad.). In J. Salomão (Ed.), Edição standard das obras psicológicas com­

pletas de Sigmund Freud: Vol. 7 (pp. 239–251). Rio de Janeiro, RJ: Imago. (Original publicado em 1905)

12 Essa “pretensão” e esse “desejo” não devem ser concebidos como mera constru­ção social, como se toda realidade e ontologia se esgotasse nessa construção. Embora essa questão tenha sido pouco explorada em termos da hipnose (Stengers, 2001), ela pode ser concebida em termos da ciência em geral (Stengers, 1999) e da própria psicologia (Gonzalez Rey, 1997; Mahoney, 1991; Neubern, 2004).

Freud, S. (1996c). Recomendações aos médicos que exercem a psicanálise (J. O Aguiar Abreu, Trad.). In J. Salomão (Ed.), Edição standard das obras psicológicas completas de Sigmund Freud: Vol. 12 (pp. 147–162). Rio de Janeiro, RJ: Imago. (Original publicado em 1912)

Freud, S. (1996d). A terapia analítica. (J. O Aguiar Abreu, Trad.). In J. Salomão (Ed.), Edição standard das obras psicológicas com­pletas de Sigmund Freud: Vol. 16 (pp. 523– 539). Rio de Janeiro, RJ: Imago. (Original publicado em 1917)

Freud, S. (1996e). Psicologia de grupo e análise do ego (J. O Aguiar Abreu, Trad.). In J. Salomão (Ed.), Edição standard das obras psicológicas completas de Sigmund Freud: Vol. 18 (pp. 89– 183). Rio de Janeiro, RJ: Imago. (Original publicado em 1921)

Freud, S. (1996f). Análise terminável e interminável (J. O Aguiar Abreu, Trad.). In J. Salomão (Ed.), Edição standard das obras psicológicas completas de Sigmund Freud: Vol. 23 (pp. 247–287). Rio de Janeiro, RJ: Imago. (Original publicado em 1937)

Gergen, K. (1996). Realidad y relaciones. Barcelona, España: Paidós.

Gonzalez Rey, F. (1996). Problemas epistemológicos de la psicologia. La Habana, Cuba: Academia.

Gonzalez Rey, F. (1997). Epistemología qualitativa y subjetividade. La Habana, Cuba: Pueblo y Educacion.

Grandesso, M. (2000). Sobre a reconstrução do significado. São Paulo, SP: Casa do Psicólogo.

Kuhn, T. (1996). A estrutura das revoluções científicas (B. Boeira &

N. Boeira, Trad.). São Paulo, SP: Perspectiva. (Original publi­cado em 1970) Levy, A (1997). Sciences cliniques et organizations sociales. Paris: Puf. Mahoney, M. (1991). Human change processNew York: Basic Books.

Marx, M., & Hillix, W. (1978). Sistemas e teorias em Psicologia (A Cabral, Trad.). São Paulo, SP: Cultrix. (Original publicado em 1963)

McNamme, S., & Gergen, K. (Ed.). (1998). A terapia como cons­trução social (C. Dornelles, Trad.). Porto Alegre, RS: Artes Médicas. (Original publicado em 1995)

Meheust, B. (1999). Somnambulisme et médiumnité. Paris: Synthelabo.

Melchior, T. (1998). Créer le réel. Hypnose et thérapie. Paris: Seuil. Morin, E. (1990). Science avec conscience. Paris: Seuil. Morin, E. (1991). La méthode IV. Les idées. Paris: Seuil.

Neubern, M. (2001). Três obstáculos epistemológicos para o reconhecimento da subjetividade na psicologia clínica. Psicolo­gia: Reflexão e Crítica, 14(1), 242–252.

Neubern, M. (2002). Milton Erickson e o cavalo de tróia: A terapia não convencional no cenário da crise dos paradigmas em psicolo­gia clínica. Psicologia: Reflexão e Crítica, 15(2), 363–372.

Neubern, M. (2003). La psychologie clinique: Du malaise aux possibilités épistémologiques, Psychothérapies, 23(2), 81–88.

Neubern, M. (2004). Complexidade e psicologia clínica: Desafios epistemológicos. Brasília, DF: Plano.

O’Hanlon, W. (1994). Raízes profundas. Fundamentos da terapia e da hipnose de Milton Erickson. (J. P. Santos, Trad.). Campinas, SP: Psy II. (Original publicado em 1987)

Puységur, A. M. J. C (2003). Mémoires pour servir à l’histoire et à l’établissement du magnétisme animal. Paris: Imago. (Origi­nal publicado em 1785).

Robles, T. (2000). Um seminário ericksoniano com Jeffrey Zeig (A

M. Machado & E. C. Alves Pinto, Trad.). Belo Horizonte, MG: Diamante. (Original publicado em 1997)

Salomão, J. (Ed.). (1996). (J. O Aguiar Abreu, Trad.). Edição standard das obras psicológicas completas de Sigmund Freud: Vols. 1-23. Rio de Janeiro, RJ: Imago.

Santos, B. (1987). Um discurso sobre as ciências. Porto, Portugal: Afrontamento.

Santos, B. (1989). Introdução a uma ciência pós-moderna. São Paulo, SP: Graal.

Santos, B. (2000). Crítica da razão indolente. São Paulo, SP: Cortez.

Schultz, D., & Schultz, S. (1981). História da Psicologia moderna (A U. Sobral & M. S. Gonçalves, Trad.). São Paulo, SP: Cultrix. (Original publicado em 1969)

Stengers, I. (1995).             L’Invention des sciences modernes. Paris: Synthelabo. Stengers, I. (1999). Pour en finir avec la tolérance. Cosmopolitiques

7. Paris: La Découverte. Stengers, I. (2001). Qu’est-ce que l’hypnose nous oblige à penser. Ethnopsy, 3, 13– 68. Yapko, M. (1992). Hypnosis and the treatment of depressions. New York: Brunner. 

Zeig, J. (1997). Vivenciando Erickson (R. Montibeller & J. C. V. Gomes, Trad.). Campinas, SP: Psy II. (Original publicado em 1985)

Recebido: 25/08/2004 1ª revisão: 15/03/2005 Aceite final: 16/09/2005

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.